CBERS 4 a 4A: Dados técnicos, lançamento, combinação de bandas, download entre outros

CBERS 1, 2 e 2B CBERS 3 e 4 CBERS 4A

O PROGRAMA

O Programa CBERS nasceu de uma parceria inédita entre Brasil e China no setor técnico-científico espacial. Com isto, o Brasil ingressou no seleto grupo de Países detentores da tecnologia de geração de dados primários de sensoriamento remoto.

Um dos frutos dessa cooperação foi a obtenção de uma poderosa ferramenta para monitorar seu imenso território com satélites próprios de sensoriamento remoto, buscando consolidar uma importante autonomia neste segmento.

O Programa CBERS contemplou num primeiro momento apenas dois satélites de sensoriamento remoto, CBERS-1 e 2. O sucesso do lançamento pelo foguete chinês Longa Marcha 4B e o perfeito funcionamento do CBERS-1 e CBERS-2 produziram efeitos imediatos.

Ambos os governos decidiram expandir o acordo e incluir outros três satélites da mesma categoria, os satélites CBERS-2B e os CBERS-3 e 4, como uma segunda etapa da parceria Sino-Brasileira.

Mediante o sucesso do lançamento do CBERS-4, Brasil e China resolveram assinar um novo protocolo complementar para fabricação de um novo satélite do Programa CBERS: O CBERS 04A. (Fonte: INPE)

COMBINAÇÃO DE BANDAS E CARACTERÍSTICAS ESPECTRAIS

CBERS-4

Falsa Cor: RGB 4/3/2

Cores naturais: RGB 3/4/2

 

Imageadores e suas características
Fonte: Epiphanio, J.C.N. CBERS: estado atual e futuro. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto (SBSR), 14, 2009., Natal. Anais… São José dos Campos: INPE. p. 2001-2008. O

20/Dez. 2019: Novo satélite CBERS é lançado com sucesso na China

O Satélite CBERS 04A foi lançado e colocado em órbita com sucesso no início da madrugada do dia 20/12/2019, pelo foguete Longa Marcha 4B, a partir da base de lançamento de Taiyuan, na China, a 500 km de Pequim.

O lançamento ocorreu à 00:22 (horário de Brasília), um minuto além do previsto, e cerca de 15 minutos depois, o terceiro estágio do foguete liberou o satélite na órbita prevista. Outros oito satélites, de pequeno porte – um deles brasileiro, o FloripaSat-1, desenvolvido pela Universidade Federal de Santa Catarina –, foram de “carona” no lançador chinês.

Fonte: Youtube/INPE

A primeira passagem do satélite CBERS 04A sobre o território brasileiro aconteceu na manhã de sexta-feira por volta das 10h, quando as Estações Terrenas de Rastreio e Controle de Alcântara (MA) e Cuiabá (MT) receberam os dados do CBERS 04A.

O satélite CBERS 04A é o sexto desenvolvido em parceria com a China, fruto de um acordo de cooperação tecnológica firmado entre os dois países em 1988. Brasil e China dividem em 50% os investimentos e a participação nos desenvolvimentos dos satélites do Programa Sino Brasileiro de Recursos Terrestres (CBERS), sob a responsabilidade do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), pelo Brasil, e da Academia Chinesa de Tecnologia Espacial (CAST), pela China.

Os recursos utilizados para o desenvolvimento e fabricação do CBERS 04A, incluindo investimentos na área de controle do satélite em órbita e aplicações, foram de R$ 160 milhões para o Brasil. Para o lançamento, o custo foi de US$ 15 milhões para o país.
O CBERS 04A garante a continuidade no fornecimento de imagens que beneficiam o sistema de gestão do território do país (monitoramentos ambientais e de recursos terrestres), as pesquisas em universidades e os desenvolvimentos em empresas, que utilizam as tecnologias de geoinformação e de sensoriamento remoto.

Quando o CBERS 04A estiver plenamente operacional, os usuários do sistema CBERS terão o dobro de imagens disponíveis, já que o satélite CBERS-4, lançado em dezembro de 2014, continua em órbita. Desde a implementação da política de livre acesso a dados e imagens do INPE, em 2004, já foram distribuídas gratuitamente quase 2,4 milhões de imagens CBERS a cerca de 20 mil instituições do país.

Em outro setor da economia, o Programa CBERS vem estimulando a participação e capacitação da indústria nacional para o desenvolvimento e fabricação de sistemas e subsistemas de satélites. Os benefícios se estendem à criação de novos empregos e à geração de inovações tecnológicas e de processos, presentes em novos produtos e serviços.

Características Técnicas

Diferenças entre os Satélites da 1ª e 2ª Geração CBERS
1ª Geração 2ª Geração
Característica CBERS-1, 2 e 2B CBERS-3 e 4 CBERS 04A
Massa total [kg] 1450 2080 1730
Potência gerada [W] 1100 2300 2100
Taxa de dados [Mbps/s] 100 300 900
Vida útil projetado [anos] 2 3 5
Altitude [km] 778 778 628,6
Dimensão do corpo do satélite (m) 1,8 x 2,0 x 2,2 1,8 x 2,0 x 2,5 1,8 x 2,0 x 2,6
Dimensão do painel solar (m) 6,3 x 2,6 6,3 x 2,6 6,3 x 2,6
Participação brasileira [%] 30 50 50
Sumário das características das Câmeras do CBERS 04A
Características das câmeras do CBERS 04A
Característica Câmera WPM Câmera MUX Câmera WFI
Bandas Espectrais 0,45-0,52µm (B)
0,52-0,59µm (G)
0,63-0,69µm (R)
0,77-0,89µm (NIR)
0,45-0,90 µm (PAN)
0,45-0,52µm (B)
0,52-0,59µm (G)
0,63-0,69µm (R)
0,77-0,89µm (NIR)
0,45-0,52µm (B)
0,52-0,59µm (G)
0,63-0,69µm (R)
0,77-0,89µm (NIR)
Resolução 2 m (pancromática)
8 m (multiespectral)
16,5 m 55 m
Largura da Faixa Imageada 92 km 95 km 684 km
Visada Lateral de Espelho não não não
Revisita 31 dias 31 dias 5 dias
Quantização 10 bits 8 bits 10 bits
Taxa de Dados
Bruta
1800.8 Mbps
450.2 Mbps
65 Mbps 50 Mbps

 

Teste e Primeiras Imagens

A recepção no Brasil das primeiras imagens do satélite CBERS 04A ocorreu em 27 de dezembro de 2019. Após uma semana de testes com todos os subsistemas do satélite e de uma sequência de manobras para coloca-lo em sua órbita nominal, as três câmeras do CBERS 04A foram ligadas sobre o Brasil por 11 minutos, de 10h56 a 11h07, horário local de Brasília. A estação terrena do INPE em Cuiabá, MT, recebeu e gravou os dados brutos das câmeras WPM, MUX e WFI, que foram processados em São José dos Campos, SP. Veja as imagens aqui

Em breve as imagens estão disponíveis para download no novo catálogo da DGI do INPE.

 

 

Fonte : Diversas; INPE/Programa CBERS/www.cbers.inpe.br

Gostou? Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.