NASA, ESA e SpaceX lançam o Sentinel-6

O Satélite Sentinel-6 Michael Freilich foi lançado neste Sábado (21/11/2020) da Base da Força Aérea de Vandenberg, na Califórnia. O nome Michael Freilich foi dado em homenagem ao antigo chefe da Divisão de Ciências da Terra da NASA, e o satélite vai estudar a subida do nível do mar, assim como o Sentinel-2 estuda a cobertura e mudanças em terra.

“A elevação do nível do mar é uma das consequências mais graves das mudanças climáticas. A taxa de aumento dos oceanos acelerou nos últimos 25 anos, e os cientistas preveem que acelere ainda mais nos próximos anos. Para poder acompanhar de perto o nível do mar, são necessárias observações permanentes sobre os oceanos do mundo” – NASA/ESA

O Sentinel-6 Michael Freilich é é o mais recente em uma série de satélites projetados para monitorar mudanças nos oceanos e visa continuar as medições de alta precisão da altimetria oceânica no período de 2020-2030. Outro satélite idêntico, Sentinel-6B, que deve ser lançada em algum momento em 2025.

Um objetivo secundário do Sentinel-6A Michael Freilich é coletar perfis verticais de temperatura de alta resolução usando o instrumento Global Navigation Satellite System – Radio Occultation Science, a fim de avaliar as mudanças de temperatura na troposfera / estratosfera e apoiar os modelos de Previsão Numérica do Tempo (NWP).

O satélite foi construído pela Airbus Defense and Space em suas instalações de Friedrichshafen na Alemanha. Tem 5,15 metros de comprimento, 2,35 metros de altura e 2,58 metros de largura. O satélite pesa aproximadamente 1.192 kg no momento do lançamento.

A energia elétrica é obtida por meio de dois painéis solares de 17,5 metros quadrados montados no corpo, que cobrem a parte superior e as laterais do satélite como uma tenda (daí sua aparência em forma de casa / tenda). A energia será armazenada dentro de uma bateria de íon-lítio de módulo duplo, que tem uma capacidade total de aproximadamente 200 amp/hora. O sistema elétrico do Sentinel-6A é capaz de fornecer uma média de 1 quilowatt de energia em órbita.

As comunicações entre as estações de satélite e terrestres são realizadas por meio de antenas e transmissores de banda S e X de micro-ondas, que estão localizados no painel a nadir (voltado para a Terra) do satélite.

Também é equipado com uma série de propulsores para propulsão, com o combustível consistindo de monopropelente de hidrazina. Este sistema de propulsão é na verdade duas seções independentes, com quatro propulsores de 8 Newton cada.

O SENTINEL -6 – Fonte: ESA/Wikipedia

Veja abaixo o lançamento:

A SpaceX e o Falcon 9

A SpaceX e o Foguete Falcon 9 vem revolucionando o mercado de lançamentos espaciais nos últimos anos. Esta missão do Sentinel-6 foi a 100ª missão para o veículo de lançamento Falcon 9 da empresa SpaceX de Elon Musk que na semana passada lançou sua primeira missão oficial tripulada (depois da missão demonstrativa de testes em maio de 2020) com 4 astronautas que foi bem sucedida – veja aqui.

Ao contrário da maioria dos foguetes que são sistemas de lançamentos descartáveis, o Falcon 9 é parcialmente reutilizável, com o primeiro estágio sendo capaz de reentrar na atmosfera e pousar verticalmente após se separar do segundo estágio, como aconteceu no caso do lançamento do Sentinal-6 hoje. Este feito foi realizado pela primeira vez no voo 20 em dezembro de 2015. Veja abaixo um destes feitos, um pouso triplo:

O Falcon 9 pode transportar cargas de até 22.800 quilogramas para a órbita terrestre baixa (LEO), 8.300 kg para a órbita de transferência geoestacionária (GTO) no modo descartável, e 5.500 kg para a GTO se o primeiro estágio for recuperado. As cargas mais pesadas para GTO foram o Intelsat 35e com 6.761 kg, e o Telstar 19V com 7.075 kg, embora está ultima tenha sido lançada em uma uma GTO de baixa energia alcançando seu apogeu muito abaixo da altitude geoestacionária.

Gostou? Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.