CBERS 4 a 4A: Dados técnicos, lançamento, combinação de bandas, download entre outros

CBERS 1, 2 e 2BCBERS 3 e 4CBERS 4A

O PROGRAMA

O Programa CBERS nasceu de uma parceria inédita entre Brasil e China no setor técnico-científico espacial. Com isto, o Brasil ingressou no seleto grupo de Países detentores da tecnologia de geração de dados primários de sensoriamento remoto.

Um dos frutos dessa cooperação foi a obtenção de uma poderosa ferramenta para monitorar seu imenso território com satélites próprios de sensoriamento remoto, buscando consolidar uma importante autonomia neste segmento.

O Programa CBERS contemplou num primeiro momento apenas dois satélites de sensoriamento remoto, CBERS-1 e 2. O sucesso do lançamento pelo foguete chinês Longa Marcha 4B e o perfeito funcionamento do CBERS-1 e CBERS-2 produziram efeitos imediatos.

Ambos os governos decidiram expandir o acordo e incluir outros três satélites da mesma categoria, os satélites CBERS-2B e os CBERS-3 e 4, como uma segunda etapa da parceria Sino-Brasileira.

Mediante o sucesso do lançamento do CBERS-4, Brasil e China resolveram assinar um novo protocolo complementar para fabricação de um novo satélite do Programa CBERS: O CBERS 04A. (Fonte: INPE)

COMBINAÇÃO DE BANDAS E CARACTERÍSTICAS ESPECTRAIS

CBERS-4

Falsa Cor: RGB 4/3/2

Cores naturais: RGB 3/4/2

 

Imageadores e suas características
Fonte: Epiphanio, J.C.N. CBERS: estado atual e futuro. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto (SBSR), 14, 2009., Natal. Anais… São José dos Campos: INPE. p. 2001-2008. O

20/Dez. 2019: Novo satélite CBERS é lançado com sucesso na China

O Satélite CBERS 04A foi lançado e colocado em órbita com sucesso no início da madrugada do dia 20/12/2019, pelo foguete Longa Marcha 4B, a partir da base de lançamento de Taiyuan, na China, a 500 km de Pequim.

O lançamento ocorreu à 00:22 (horário de Brasília), um minuto além do previsto, e cerca de 15 minutos depois, o terceiro estágio do foguete liberou o satélite na órbita prevista. Outros oito satélites, de pequeno porte – um deles brasileiro, o FloripaSat-1, desenvolvido pela Universidade Federal de Santa Catarina –, foram de “carona” no lançador chinês.

Fonte: Youtube/INPE

A primeira passagem do satélite CBERS 04A sobre o território brasileiro aconteceu na manhã de sexta-feira por volta das 10h, quando as Estações Terrenas de Rastreio e Controle de Alcântara (MA) e Cuiabá (MT) receberam os dados do CBERS 04A.

O satélite CBERS 04A é o sexto desenvolvido em parceria com a China, fruto de um acordo de cooperação tecnológica firmado entre os dois países em 1988. Brasil e China dividem em 50% os investimentos e a participação nos desenvolvimentos dos satélites do Programa Sino Brasileiro de Recursos Terrestres (CBERS), sob a responsabilidade do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), pelo Brasil, e da Academia Chinesa de Tecnologia Espacial (CAST), pela China.

Os recursos utilizados para o desenvolvimento e fabricação do CBERS 04A, incluindo investimentos na área de controle do satélite em órbita e aplicações, foram de R$ 160 milhões para o Brasil. Para o lançamento, o custo foi de US$ 15 milhões para o país.
O CBERS 04A garante a continuidade no fornecimento de imagens que beneficiam o sistema de gestão do território do país (monitoramentos ambientais e de recursos terrestres), as pesquisas em universidades e os desenvolvimentos em empresas, que utilizam as tecnologias de geoinformação e de sensoriamento remoto.

Quando o CBERS 04A estiver plenamente operacional, os usuários do sistema CBERS terão o dobro de imagens disponíveis, já que o satélite CBERS-4, lançado em dezembro de 2014, continua em órbita. Desde a implementação da política de livre acesso a dados e imagens do INPE, em 2004, já foram distribuídas gratuitamente quase 2,4 milhões de imagens CBERS a cerca de 20 mil instituições do país.

Em outro setor da economia, o Programa CBERS vem estimulando a participação e capacitação da indústria nacional para o desenvolvimento e fabricação de sistemas e subsistemas de satélites. Os benefícios se estendem à criação de novos empregos e à geração de inovações tecnológicas e de processos, presentes em novos produtos e serviços.

Características Técnicas

Diferenças entre os Satélites da 1ª e 2ª Geração CBERS
1ª Geração2ª Geração
CaracterísticaCBERS-1, 2 e 2BCBERS-3 e 4CBERS 04A
Massa total [kg]145020801730
Potência gerada [W]110023002100
Taxa de dados [Mbps/s]100300900
Vida útil projetado [anos]235
Altitude [km]778778628,6
Dimensão do corpo do satélite (m)1,8 x 2,0 x 2,21,8 x 2,0 x 2,51,8 x 2,0 x 2,6
Dimensão do painel solar (m)6,3 x 2,66,3 x 2,66,3 x 2,6
Participação brasileira [%]305050
Sumário das características das Câmeras do CBERS 04A
Características das câmeras do CBERS 04A
CaracterísticaCâmera WPMCâmera MUXCâmera WFI
Bandas Espectrais0,45-0,52µm (B)
0,52-0,59µm (G)
0,63-0,69µm (R)
0,77-0,89µm (NIR)
0,45-0,90 µm (PAN)
0,45-0,52µm (B)
0,52-0,59µm (G)
0,63-0,69µm (R)
0,77-0,89µm (NIR)
0,45-0,52µm (B)
0,52-0,59µm (G)
0,63-0,69µm (R)
0,77-0,89µm (NIR)
Resolução2 m (pancromática)
8 m (multiespectral)
16,5 m55 m
Largura da Faixa Imageada92 km95 km684 km
Visada Lateral de Espelhonãonãonão
Revisita31 dias31 dias5 dias
Quantização10 bits8 bits10 bits
Taxa de Dados
Bruta
1800.8 Mbps
450.2 Mbps
65 Mbps50 Mbps

 

Teste e Primeiras Imagens

A recepção no Brasil das primeiras imagens do satélite CBERS 04A ocorreu em 27 de dezembro de 2019. Após uma semana de testes com todos os subsistemas do satélite e de uma sequência de manobras para coloca-lo em sua órbita nominal, as três câmeras do CBERS 04A foram ligadas sobre o Brasil por 11 minutos, de 10h56 a 11h07, horário local de Brasília. A estação terrena do INPE em Cuiabá, MT, recebeu e gravou os dados brutos das câmeras WPM, MUX e WFI, que foram processados em São José dos Campos, SP. Veja as imagens aqui

Em breve as imagens estão disponíveis para download no novo catálogo da DGI do INPE.

 

 

Fonte : Diversas; INPE/Programa CBERS/www.cbers.inpe.br

Gostou? Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.