Projete um sistema de rodovias interestaduais para o Brasil

Quem já visitou os EUA deve ter percebido e se maravilhado com a infraestrutura de estradas interestaduais que eles possuem.  O sistema de rodovias interestaduais ou Interstate Highway System é uma rede de autoestradas que faz parte do Sistema Rodoviário Nacional dos Estados Unidos. O sistema rodoviário foi nomeado em homenagem ao presidente Dwight D. Eisenhower, que defendeu e conseguiu o seu planejamento e a sua criação. O custo de construção do projeto foi estimado em 100 bilhões de dólares (dólares de 1956), sendo considerado o maior “programa de obras públicas desde as Pirâmides”. O sistema foi pago através de um pequeno imposto adicionado na gasolina/diesel, não tendo saído do tesouro americano nem criando dívidas. O sistema contribuiu e continua ajudando na formação dos Estados Unidos em uma superpotência econômica mundial e uma nação altamente industrializada.

Fonte: USDOT
No Brasil

O Brasil possui uma extensa malha viária porém está muito mal distribuída, pouco conservada, mal planejada e, como vimos abaixo, pouquíssimos trechos são duplicados (vermelho forte). A região norte carece de uma maior densidade bem como a centro-oeste que conecte a portos para o escoamento da produção agrícola.

Um sistema de rodovias de alta capacidade, bem conservada e interligada com certeza faria do Brasil uma potência mundial pois a infraestrutura deficitária é sempre citada como o principal ponto de entrave para investimentos e desenvolvimento do interior do Brasil

Fonte: Wikipedia
Padronização

O sistema de interestaduais americano se baseou inteiramente no padrão AASHTO (American Association of State Highways and Transportation Officials) que define a política de padronização do design das rodovias. Ela define por exemplo velocidades máxima por segmento, curvatura, gradientes, número de pistas em uma direção (nunca menor que 2 para ser parte do sistema), sinalização, conexões, pontes, túneis, etc.

Veja uma cópia simplificada aqui:

https://www.dot.state.al.us/dsweb/pdf/A%20Policy%20on%20Design%20Standards%20-%20Interstate%20System%20May%202016.pdf  e mais informações aqui

Um Sistema Integrado de Rodoviais Interestaduais Brasileiro – Faça seu projeto

Com base nestes padrões básicos da norma americana, também com base nas rodoviais brasileiras já existentes e a ligação delas a importantes capitais e cidades, gostaríamos de propor a nossa comunidade brasileira usuária de sistemas GIS ou mesmo de outros países, que nos ajude a elaborar um projeto básico propondo a criação do sistema de rodoviais interestaduais brasileiro (SRB):

Premissas a serem seguidas:
  • A malha deve ser abrangente, relativamente distribuída igualmente para possibilitar o desenvolvimento de todas as regiões;
  • Seguir a padronização da AASHTO;
  • Utilizar rodovias federais já existentes e em construção para evitar custos desnecessários;
  • Densidade média (só das interestaduais) na casa de 1 km a cada 100 km2 de área territorial;
  • Observar e evitar cruzamento com áreas de preservação e conservação já oficialmente demarcada;
  • Conectar todos os estados e capitais e o maior número de cidades importantes possível;
  • Conceber anéis rodoviários em cidades com porte significativo;
  • Regiões sensíveis ambientalmente devem ser evitadas ou contornadas a fim de evitar conflitos e problemas maiores de licenciamento ambiental que se apresentariam. Sugerimos utilizar o geodatabase da ForestGIS para identificar áreas de proteção ambiental, bem como verificar as rodovias já existentes.
  • O projeto deve conter um shapefile com as rodovias com atributos básicos de numero de pistas, velocidade máxima e numeração (I-75 por exemplo), além de um breve documento descrevendo a metodologia seguida a observações pertinentes.

Todos os projetos minimamente viárias serão divulgados abaixo e os créditos dados aos respectivos elaboradores. Participe enviando o material produzido para forestgis@outlook.com

PROJETOS JÁ ENVIADOS:

1- Jorge Sampaio 

 

 

 

 

Gostou? Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *