CBERS 3 contará com câmera nacional

O satélite CBERS 3 que está sendo construido pelo INPE em conjunto com a China, será equipado com a primeira câmera para satélite desenvolvida e produzida no Brasil.

Fonte: INPE

Uma apresentação sobre a MUX, a primeira câmera para satélite inteiramente desenvolvida e produzida no Brasil, é um dos marcos da comemoração de 51 anos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), nesta sexta-feira (10), em São José dos Campos. A câmera, já integrada ao satélite sino-brasileiro CBERS-3, que será lançado na China no final do ano, começou a ser projetada em 2005 e seu desenvolvimento cumpre importante função do programa espacial brasileiro, que é a qualificação da indústria nacional.

Com 20 metros de resolução e multiespectral, a MUX câmera registra imagens no azul, verde, vermelho e infravermelho, em faixas distintas. Essas bandas espectrais têm funções bem calibradas visando seu uso em diferentes aplicações, principalmente no controle de recursos hídricos e florestais.

“A finalidade primária é a coleta de imagens para monitoramento de recursos terrestres. Isso abrange controle e monitoramento hidrológico, florestal, agrícola, perimetral urbana, mineral e até planejamento de ocupação sustentável, queimadas, mineração ilegal, retirada de madeira, entre outros”, explica Mário Selingardi, gerente do projeto da MUX no INPE.

A empresa nacional contratada pelo INPE para viabilizar o projeto da MUX é a Opto Eletrônica, de São Carlos (SP), que foi capaz de desenvolver a câmera de 115 Kg, dividida em três equipamentos. A câmera propriamente dita possui 95kg, 1,1m x 0,55m x 0,8m, onde estão as lentes e o plano focal, bem como toda a estrutura e sistema térmico, radiadores, aquecedores, blindagens, eletrônica de proximidade, etc. Junto com ela vai um outro módulo, que controla o sistema de ajuste focal, controle térmico e alguns sistemas auxiliares. O sistema é completado pelo equipamento onde a imagem é processada e condicionada para envio à terra. 

Projeto espacial dos mais sofisticados realizados no país, a MUX exigiu análises minuciosas e rigorosas, pois a câmera precisa suportar o tempo de vida necessário no ambiente hostil do espaço.

Fonte: INPE, em http://www.inpe.br/noticias/noticia.php?Cod_Noticia=3009

Gostou? Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.